RSS
 

O desalento de uma era

Benedicto Ismael C. Dutra
09/01/2018



 Entramos num túnel escuro há tempos. Resultado: economia fraca, desemprego, despreparo, moradias precárias. Trava-se uma luta pelo poder com alguns querendo ter nas mãos um Estado forte interferindo em tudo. Melhor que o Estado não seja empresário porque os empresários se tornaram financistas, visando acúmulo de riqueza e poder, e descuidaram de promover progresso equitativo com liberdade e responsabilidade. Quando o planeta conseguirá alcançar o equilíbrio com todas as ações voltadas para a paz, progresso e elevação da espécie humana? 

Na atual crise brasileira, alguns fatores foram terríveis: crédito caro e difícil, impostos em excesso, despreparo geral, e diante do quadro de globalização, o Brasil teve fragilizada a sua energia taurina, inclusive os empresários. É bom ter dólar barato para reduzir o custo dos importados, mas para quem tem dólares insuficientes a situação tende para a insustentabilidade. A política também influiu, dada a rejeição aos métodos do PT. São esses os fatores que devem ser solucionados com liberdade e responsabilidade para que o progresso ressurja.
 
O Brasil precisa destruir as travas que emperram o bom preparo das novas gerações. Os pais têm de acompanhar o que acontece na escola, ajudar a criança a superar dificuldades e eliminar o bullying. As escolas deveriam promover palestras realizadas por psicólogos para auxiliar e orientar os pais sobre questões ligadas à educação e preparo para a vida. O grande atraso surgiu como consequência de lutas pelo poder e interesses pessoais. Faltaram programas sérios de longo prazo para a construção de um país independente voltado para a melhora das condições de vida e qualidade humana. Os partidos não se ocuparam com isso nem seus líderes gananciosos. O Brasil precisa de homens dispostos a reconstruir o país com denodo sem se curvar aos interesses particulares e que são contrários ao progresso real. 
 
O Brasil parece estar sem rumo; há muito tempo falta uma séria visão de futuro melhor, mas isso depende em grande parte da educação e preparo das novas gerações que precisam adquirir motivação para dar ao país uma conformação mais humana voltada para o progresso geral. O grande descuido tem sido a ausência de metas ousadas. Perdemos um tempo enorme que levou o país ao declínio em todos os setores essenciais, mormente no preparo das novas gerações. Com isso, estamos numa vala e com dificuldade para levantar a cabeça. 
 
Em tudo que os homens têm feito observa-se a falta do equilíbrio, a palavra mágica da boa construção. O componente humano requer consideração e não pode agir como máquina; tem de por a sua vontade em movimento visando o bom aproveitamento do tempo e a busca continuada da excelência, e ser remunerado de forma adequada para uma existência condigna.
 
A inovação e o progresso estão relacionados com as metas do país e de sua população. O que querem as pessoas, a classe política, as empresas? Qual a meta dos brasileiros, adultos e jovens? Não sabem bem o que querem, vivem longe da realidade da vida. Tudo exige esforço, mas o hábito tem sido buscar molezas para ficar acomodado em berço esplêndido. O que tem prevalecido é o imediatismo geral sem visão de melhor futuro, com absoluto descuido e lutas pelos ganhos e poder. Não há uma estrutura de equilíbrio geral nas contas internas e externas, na produção, empregos, importações e exportações. É hora de definir metas adequadas e sérias e ações na conquista da evolução.
 
Em sua essência o impulso primário do homem era a busca de sua origem transcendental, que aos poucos foi sendo acomodada pela procura com prioridade para as coisas do perecível mundo material. Isso foi conveniente para aqueles que cobiçam poder terreno, levando às massas a indolência máxima. Os homens da Religião, do Capitalismo de Mercado e do Estado visavam o mesmo. Agora tudo está mais confuso com a invenção do Capitalismo de Estado. A indolência e robotização do ser humano tende a ser total aumentando o desalento. O homem precisa reconhecer as leis da natureza e segui-las para não criar situações anormais. Evidentemente a intervenção dos homens sempre produz consequências, boas ou más. É preciso estudar as leis naturais da Criação para não gerar situações desastrosas.
 



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.