RSS
 

O preparo dos jovens no Brasil

Benedicto Ismael C. Dutra
17/01/2018



Qual tem sido o foco da humanidade? O modelo de rapinagem ao ouro dos Incas perdurou por séculos, e com o passar do tempo não mudou muito na essência. Não há sobra de poupança interna, muito continua indo para fora. Vislumbrou-se que a especialização traria economia de escala, a produção se concentrou onde a mão de obra fosse barata e produtiva, esqueceram do que ocorreria nos demais países cujo PIB permaneceu estagnado enquanto os 90 milhões se multiplicavam. 

A 4a. Revolução Industrial enseja oportunidade para corrigir o foco. Deve-se incluir também foco sobre os valores humanos e na busca da continuada melhora das condições gerais de vida. Esperemos que haja vontade para isso?
 
Veja o que diz o economista Marcos Troyjo no artigo abaixo, publicado originalmente em sua coluna no Jornal Folha de São Paulo:
 
 
O menino do Réveillon e o futuro da desigualdade

Marcos Troyjo*
 
É difícil permanecer indiferente ao instantâneo do fotógrafo Lucas Landau que retrata um menino na praia de Copacabana durante o último Réveillon. "A fotografia abre margens para várias interpretações; todas legítimas", afirmou o fotógrafo numa rede social. Concordo com ele.
 
Para mim, a imagem convida a uma ideia de exclusão e desigualdade - também de renda ou cor de pele, mas sobretudo de oportunidades. Por que a nação continua tão socialmente injusta e desigual? Pesa ainda sobre a nação de hoje a influência de séculos de deturpações socioeconômicas. O Brasil foi o último país das Américas a abolir a escravidão.
 
O modelo de monocultura da exportação foi concentrador de rendas. Nossa industrialização se deu de mãos dadas com protecionismo, inflação galopante, míope apego ao mercado interno e dívida externa. Nosso aumento populacional foi bastante acentuado. Na Copa do Mundo de futebol de 1970 cantávamos "90 milhões em ação". Hoje somos mais de 200 milhões de habitantes.
 
A incontinência macroeconômica dos anos 70 e 80 gerou vírus hiperinflacionários dos quais apenas os mais ricos puderam se proteger, consolidando assim mais desigualdades. No limite, não fomos capazes em mais de cinco séculos de história de implantar um modelo socioeconômico que gerasse os excedentes de poupança e investimento necessários ao desenho de uma sociedade ao mesmo tempo justa, dinâmica e promotora de oportunidades.
 
As distâncias sociais nos países mais ricos, como os que fazem parte da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), são muito menores do que na grande maioria das nações emergentes. Há, no entanto, distâncias crescentes em países como os EUA - que concentram mais renda no topo da pirâmide social do que outras economias avançadas..
 
No entanto, a alta produtividade do trabalhador e do capital americano, além de suas muitas vantagens competitivas em termos de inovação e ambiente de negócios, acabam refletindo num PIB per capita cerca de cinco vezes maior que o brasileiro - proporção que vem se mantendo ao longo das últimas décadas.
 
Entre os emergentes, Chile, China - para não falar da Coreia do Sul que já emergiu e hoje tem renda per capita superior à média dos países da OCDE - são os casos mais eloquentes de sucesso na melhoria de indicadores sociais. Esses países cresceram e multiplicaram oportunidades.
 
No Brasil, a legislação trabalhista ou a previdência são exemplos da inadequação à mais prosperidade e desenvolvimento de oportunidades. A primeira não incentiva a formalização, dado o alto custo que implica para quem emprega a e também para quem é empregado. Salários poderiam ser mais altos se o desembolso real por parte do empregador não fosse tão elevado em razão dos chamados "encargos sociais", que nada mais são do que mecanismos de transferência de riqueza da sociedade para o governo.
 
A "hiperproteção" almejada pela legislação trabalhista acaba por deixar o trabalhador ainda mais vulnerável. O mesmo vale para a previdência, em completo descompasso seja com a ideia de combate a privilégios ou a dinâmicas profissionais e demográficas que hoje operam no mundo. Ambas são retrato das muitas situações no Brasil em que o caminho para o inferno é pavimentado por boas intenções. O maior beneficiário de uma simplificação ainda mais ambiciosa da legislação trabalhista no Brasil seria o próprio trabalhador. O mesmo vale para a reforma da Previdência.
 
Fala-se do Bolsa Família como gerador de oportunidades. Contudo, mecanismos de tal tipo não configuram programas de desenvolvimento social, mas de assistência social. Servem para o alívio da pobreza. Não tocam na formação de capacidades ou aumento de produtividade - verdadeiros instrumentos do aumento de renda e do desenvolvimento social ao longo do tempo.
 
O menino do Réveillon olha para o horizonte com fascinação, mas também desalento. É um bom retrato de um novo tipo de desigualdade que vem por aí, e que não tem que ver com questões de raça ou renda. Há em curso no mundo uma Quarta Revolução Industrial (4RI), cuja principal matéria-prima é o talento. Este, no passado, ganhava sinônimos específicos em diferentes esferas. No plano individual, "vocação". No empresarial, "nicho" ou "core business". No da economia internacional, "vantagens comparativas". Todos relacionados a alguma forma de dom ou aptidão "natural".
 
Na 4RI essas "naturalidades" são implodidas. Assistimos a ascensão de indivíduos multifuncionais, empresas transetoriais e países metacompetentes. Advogados que utilizam métodos quantitativos com a mesma fluência que interpretam leis, companhias do agronegócio que lançam aplicativos de GPS, ou países manufatureiros (como a China) que se tornaram grandes produtores de alimentos.
 
Toda essa metamorfose passa pela preparação do indivíduo a desempenhar papel produtivo nessa nova economia e sociedade. Torna-se necessário multiplicar dramaticamente o número de pessoas expostas à famosa "Regra das 10 Mil Horas" de foco, treinamento e educação sugerida pelo psicólogo Anders Ericsson e mais tarde popularizada pelo Malcom Gladwell no best-seller "Outliers".
Qual o problema? Muitos jovens chegam à idade de 25 anos distantes das "10 mil horas". Muitos ficam abaixo de mil. Decreta-se assim, perversamente, sua "incompatibilidade precoce" com o que se pode realizar em termos laborais e empreendedores na 4RI.
 
Percebam o agravante. Quando o velho Marx redigiu os primeiros capítulos do "Capital" em meados do século 19, a expectativa média de vida ao nascer do país mais avançado do mundo - a Inglaterra - era de 39 anos. Hoje, mesmo num país de renda média como o Brasil, a expectativa já se aproxima dos 80 anos. Ou seja, se até os 25 não houve o desenvolvimento de talentos multidimensionais, o que farão com suas vidas produtivas dos 25 aos 80 anos?
 
Serão pouco úteis às oportunidades da 4RI e portanto contingente demográfico à disposição de pirataria, contrabando, comércio ilegal de armas, tráfico de entorpecentes, "gatos" de água, TV a cabo, eletricidade, degradação ambiental, subempregos informais etc. Em países de desenvolvimento médio, como o Brasil, se nada for feito para quebrar tal inércia, isso implicará:
 
i) na melhor hipótese: orçamentos e atenção cada vez maiores para fins como segurança pública, seguro-desemprego, alívio da pobreza etc. Enorme pressão fiscal incidirá sobre governos.
 
ii) na pior hipótese: aumento de conflitos e contingentes populacionais envolvidos em disputas por mercados ilícitos e territórios - de que a guerra na comunidade da Rocinha é triste exemplo. Ficará portanto evidente a incremental correlação entre 4RI e o recrudescimento de tensões como nas favelas do Rio ou na periferia de São Paulo. Serão acrescidas às mazelas sociais e distributivas do passado o potencial excludente da 4RI.
 
Neste ano eleitoral, eis o que realmente importa para o médio prazo do Brasil: o país precisa gerar excedentes necessários a maciços investimentos em capacitação e assim combater o futuro da desigualdade. Só assim o menino do Réveillon vislumbrará um horizonte de mais potencial, onde seu país não seja um "injusticeiro" de oportunidades. 
 
 
*Marcos Troyjo é economista, diplomata e cientista social, dirige o BRICLab da Universidade Columbia em NY, onde é professor-adjunto de relações internacionais e políticas públicas. Escreve às quartas no Jornal Folha de São Paulo 
 
 



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.