RSS
 

Escolha o avião certo

Benedicto Ismael C. Dutra
18/10/2018



 Os eleitores do Brasil estão no aeroporto para escolher o avião. Depois de embarcados só poderão desembarcar no destino escolhido. Tem um avião que vai para o país da utopia, onde os fins justificam os meios, usados pela tripulação para chegar onde quer, onde possa mandar e desmandar ao seu bel prazer para pôr em prática um plano de massificação geral da população, mesmo que para isso tenha que semear o caos e o apagão mental. O outro avião vai enfrentar turbulências até achar a serenidade do céu azul, terá de traçar uma rota que escape da tormenta que se avizinha, protegendo a liberdade, a individualidade, o fortalecimento da família para que surjam gerações fortes aptas e dispostas a construir um mundo melhor. Logo será dada a última chamada; prepare-se para embarcar no avião certo.

O cenário mundial tem como pano de fundo dinheiro e poder. Há duzentos anos a Inglaterra formou o centro das finanças com a criação da libra esterlina, palavra derivada da medida de peso. O marco alemão não conseguiu se manter. Ao término da Segunda Guerra Mundial, o dólar se impôs, carreando o poder para os seus detentores. Há trilhões de dólares nos paraísos fiscais. O iene do Japão teve destaque. O euro tenta se impor, mas enfrenta dificuldades na aglutinação dos estados da Europa. O dólar tem navegado com firmeza. A China está despontando como potência econômica, para isso tratou de acumular reservas em dólares como nenhum outro país o fez, mas agora pretende dar força internacional à sua própria moeda, o yuan.  
 
Países periféricos como o Brasil ficam à margem, sempre dependentes do fluxo da moeda padrão nas transações mundiais, e por isso sempre assediado pelas forças dominantes para disponibilizar as riquezas naturais. Isso tudo tem a ver com as rotas adotadas pelos governantes que conduziram o país a este aeroporto tumultuado de contas deficitárias, dívidas, produção pífia, desemprego e baixo nível de escolarização. O Brasil precisa restabelecer a naturalidade na vida e na economia, possibilitando aumento da produção, trabalho, consumo e progresso na qualidade de vida.
 
Para fortalecer um país é preciso que surjam gerações fortes, sadias de corpo e alma, voltadas para o bem, aptas e dispostas a estabelecer propósitos de melhora geral. Só mesmo a mais crassa ignorância sobre o funcionamento das leis de Deus que se expressam na natureza poderia permitir a suposição de que com uso da genética e processos eugênicos tecnológicos é possível criar gerações que atendam aos pressupostos dos detentores do dinheiro e poder. A qualidade humana depende do espírito que encarnar. 
 
As experiências com reprodução de parceiros previamente selecionados poderão gerar corpos bem desenhados, mas o ser humano vai depender do espírito atraído para a encarnação, pois o estar vivo depende das condições de atração magnética entre o corpo gerado e alma. Sem essa atração o corpo não segura a alma. Quando a atração perde calor há a separação, deixando inerte o corpo material, fato que era evidente para povos da antiguidade que viviam em estreita sintonia com as leis da natureza.  
 
A Terra ficou extremamente contaminada com a presença de seres humanos que desdenham da vida espiritual, desrespeitando suas leis. Decadência, guerras, miséria atestam o que os homens fizeram de errado no planeta outrora tão hospitaleiro. A purificação da Terra depende do despertar espiritual. O ser humano aderido fortemente ao mundo material perdeu as aspirações nobres elevadas e agiu inescrupulosamente como nenhuma outra criatura, arrastando o infortúnio para esta parte da Criação. Muitos estão se aproveitando da confusão global para externar o que de pior o ser humano é capaz.
 
As trevas querem destruição. A guerra vem se arrastando há milênios. No auge da escuridão, o Criador enviou Jesus com Luz do Divino. Mesmo assim a decadência espiritual não foi estancada. As trevas continuaram seu ataque destruidor por não encontrarem resistência. A Sodoma devassa avança no ataque à feminilidade, única apta a gerar filhos com caráter voltado para o Bem. Com o afastamento do saber das leis da Criação, os seres humanos acolheram a mentira, deixando crescer a insatisfação e a revolta. Vivemos num tempo de guerra. Faltando a Luz da Verdade, faltará tudo.



Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo. É articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens” ,“A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Enviar um Comentário:

Nome:
Email:
  Publicar meu email
Comentário:
Digite o texto que
aparece na imagem:

Vida e Aprendizado 2011.
Reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site deverá mencionar a fonte.